sábado, 11 de maio de 2013

O multifacetado José Luis Peixoto


Foto Helena Canhoto 

Não  me lembro da primeira vez que ouvi algo sobre  o escritor português José Luis Peixoto; creio que foi na época do lançamento do seu livro “Livro”. Fiquei interessada quando li a sinopse e coloquei o livro na minha lista de desejos, para comprar quando fosse para o Brasil. Em julho, quando finalmente viajei, passei uns dias em Palmas, no Tocantins, onde mora a família do meu marido. Nesses dias, estava acontecendo  na cidade a  FLIT – Feira Literária Internacional do Tocantins e José Luis Peixoto seria um palestrante, juntamente com José Eduardo Agualusa. Foi muito bom conhecer ambos, são muito simpáticos. Lá pude comprar o meu exemplar do “Livro”, que foi devidamente autografado.


 Meu primeiro livro autografado por um escritor

Aconteceu um fato engraçado neste dia; eu cheguei atrasada, pois estava em uma chácara na beira do lago, meio distante da cidade. A palestra com o Agualusa já havia começado e algum tempo tempo depois, sentou-se um moço na minha frente, todo tatuado e cheio de piercings. Quando vi os livros que ele segurava, descobri que ele era o José Luis Peixoto… não o conhecia nem mesmo por fotos, por isso o estranhamento. Quanto as tatuagens...ele possui uma no antebraço no formato de uma moldura e pede para as pessoas desenharem dentro, postando as fotos no Instagram...diferente, né?


Foto retirada do Instagram 




José Luis Peixoto nasceu em 1974, em Galveias, Portugal. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas (Ingles e Alemão) pela Universidade Nova de Lisboa. Foi professor do ensino secundário antes de dedicar-se profissionalmente à escrita em 2000. Recebeu o Prêmio Jovens Criadores do Instituto Português da Juventude nos anos de 1998  e 2000.



Em outubro de 2000 publicou seu primeiro romance, Nenhum Olhar, que foi muito bem recebido. No ano seguinte, venceu o Prêmio Literário José Saramago.

Em 2003, participou de uma rara experiência literária/musical; junto com a banda de heavy metal Moonspell,  lançou o livro “Antídoto” e o CD do mesmo nome.


Em 2008, Nenhum Olhar  (The Implacable Order of Things) entrou para seleção semestral "Discover Great New Writers" das livrarias Barnes & Noble, sendo o único romance em língua estrangeira a fazer parte dessa lista.

(Achei na biblioteca daqui)

Os seus romances foram  publicados em muitos países, como França, Itália, Bulgária, Turquia, Finlândia, Holanda, Espanha, República Checa, Roménia, Croácia, Bielorrússia, Polónia, Brasil, Grécia, Reino Unido, Estados Unidos, Hungria, Israel, etc.

Peixoto combina referências de sua região natal, o Alentejo (que encarna um Portugal arcaico, parado no tempo) com uma prosa moderna, que fala de eventos contemporâneos e dialoga com a linguagem do rock.

Obras Publicadas:
Ficção
 2000 - Morreste-me
 2000 - Nenhum Olhar

 2002 - Uma Casa na Escuridão

 2003 - Antídoto

 2006 - Minto Até ao Dizer que Minto (distribuído apenas com a revista Visão)

 2006 - Cemitério de Pianos
 2007 - Hoje Não (distribuído apenas com a revista Sábado)

2007 - Cal

2010 - Livro
2011 - Abraço
Poesia
2001 - A Criança em Ruínas

2002 - A Casa, a Escuridão. 
2008 - Gaveta de papéis


Literatura de Viagem

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo