sexta-feira, 10 de maio de 2013

Louisa May Alcott: A mulher por trás de Little Women



Quem foi Louisa May Alcott? Se a única coisa que você sabe foi que ela escreveu aquele livro infantil que virou filme com a Winona Ryder, Susan Sarandon, Kirsten Dunst e um Christian Bale novinho, você precisa ler este post.


Sim, ela escreveu Little Women (Mulherzinhas) que a tornou rica e famosa, mas sua vida não foi nada fácil antes (e depois também) do sucesso. O quanto rica ela ficou? Bem, Little Women vendeu 1,8 milhões de livros na época do lançamento...em 20 anos, ela fez três vezes mais dinheiro do que Henry James e Herman Melville fizeram a vida toda, juntos.




Louisa May Alcott nasceu em 29 de novembro de 1832 nos arredores de Filadélfia, mas a família mudou-se a seguir para Boston. Depois para Concord, seguido de Fruitlands, depois para Concord novamente e em 1849 estavam em Boston outra vez...O pai era um filósofo transcendentalista que defendia métodos modernos de educação, acreditando no prazer e no envolvimento das crianças no ensino. Mas seus projetos idealistas mantiveram-nos próximo da pobreza e foi a carreira de Louisa que finalmente trouxe segurança econômica à família.


Orchard House em Concord, Massachusetts

Mas vamos a outros fatos que podem não ser tão conhecidos para a maioria das pessoas:

1) Antes de escrever Little Women, Alcott escreveu secretamente pulp fiction (histórias de qualidade menor, publicadas em formato de revista) sob o pseudônimo de A. M. Barnard, com temas como sexo, crime e drogas. Essas histórias ficaram muito tempo perdidas e acredita-se que ainda há muitas a serem descobertas;

2) Foi criada como vegetariana e viveu em uma comunidade chamada Utopian Fruitlands;

3) Devido a pobreza, teve que trabalhar muito cedo e exerceu profissões como costureira, dama de companhia, professora, lavadeira e governanta;

4) Foi enfermeira durante a Guerra Civil Americana no Union Hospital em Georgetown D.C., mesmo sem nunca ter realizado treinamento médico. Nesta época, contraiu pneumonia, foi tratada com um remédio a base de mercúrio, que afetou  sua saúde. As cartas enviadas para sua família neste período resultaram no livro Hospital Scketches (1863);

5) Usou drogas como ópio, haxixe e morfina, para tentar controlar as dores que sofria. Hoje acredita-se que a escritora sofria de Lupus;

6) Uma fofoca: diz-se que ela preferia homens mais jovens; foi apaixonada por um homem, dez anos mais novo do que ela quando passou um tempo em Paris. Ladislas "Laddie" Wieniewki serviu como modelo para Laurie em Little Women. Há rumores de que também teve paixonites pelos escritores Henry David Thoreau e Ralph Waldo Emerson. Apesar das paixões, nunca se casou: Liberdade é um marido melhor do que amor - ela declarou;

7) Foi feminista e abolicionista. Abrigou em sua casa um escravo fugitivo e foi a primeira mulher a se registrar em Concord quando o voto feminino foi aprovado em Massachusetts em 1879;

8) Fez parte do grupo conhecido como American Bloomsbury do qual faziam parte Ralph Waldo Emerson, Margaret Fuller, Nathaniel Hawthorne e Henry David Thoreau;

9) Escreveu Little Women a pedido de seu editor Thomas Niles, que queria que ela escrevesse um livro para garotas. Aceitou apenas por precisar muito de dinheiro;

10) Inspirou mulheres tão distintas como Gertrude Stein, Simone de Beauvoir, Ursula Le Guin, Hillary Clinton e J. K. Rowling.


Leia Little Women. Muitos acham o livro muito moralista conservador e moralista, mas na época não era tanto assim.. é o retrato do dia-a-dia de quatro irmãs. A obra organiza-se por capítulos, quase sempre a volta de um episódio passado no microcosmo familiar da casa. Cada episódio produz um comentário moral. Os críticos dizem que a sucessão dos capítulos consegue compor um estudo da psicologia adolescente e que o talento de Alcott está exatamente na capacidade de fazer esse retrato completo. O escritor Henry James chamou Alcott de romancista das crianças. Ela escreveu mais três livros da série Little Women e muitos outros livros infantis.

Obras:
  • The Inheritance (1849, não publicado até 1997)
  • Flower Fables (1849)
  • Hospital Sketches (1863)
  • The Rose Family: A Fairy Tale (1864)
  • Moods (1865, revised 1882)
  • Morning-Glories and Other Stories (1867)
  • The Mysterious Key and What It Opened (1867)
  •  Little Women or Meg, Jo, Beth and Amy (1868)
  • Three Proverb Stories (inclui "Kitty's Class Day", "Aunt Kipp" e "Psyche's Art") (1868)
  •  A Strange Island (1868)
  • Part Second of Little Women, também conhecido como Good Wives  (1869)
  • Perilous Play (1869)
  • An Old Fashioned Girl (1870)
  • Will's Wonder Book (1870)
  • Little Men: Life at Plumfield with Jo's Boys (1871)
  • Aunt Jo's Scrap-Bag (1872–1882)
  • Transcendental Wild Oats(1873)
  • Work: A Story of Experience (1873)
  • Eight Cousins or The Aunt-Hill (1875)
  • Beginning Again, Being a Continuation of Work (1875)
  • Silver Pitchers, and Independence: A Centennial Love Story" (1876)
  • Rose in Bloom: A Sequel to Eight Cousins (1876)
  • Under the Lilacs (1878)
  • Jack and Jill: A Village Story (1880)
  • The Candy Country (1885)
  • Jo Boys and How They Turned Out: A Sequel to "Little Men" (1886)
  • Lulu's Library (1886–1889)
  • A Garland for Girls (1888)
  • Comic Tragedies (1893 [postumo])
Como A. M. Barnard
  •  Behind a Mask,or a Woman's Power (1866)
  • The Abbot's Ghost, or Maurice Treherne's Temptation (1867)
  • A Long Fatal Love Chase (1866 – publicado em 1995)
Publicado anonimamente
  • A Modern Mephistopheles (1877)

Um comentário:

  1. Achei que ela só tivesse escrito Little Women.

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo