quinta-feira, 31 de maio de 2012

O Violoncelista de Sarajevo - Steven Galloway - Desafio Literário - Maio


Tema: Fatos Históricos
(Esse mês será destinado à leitura de romances cuja trama apresente acontecimentos que marcaram a história nacional ou mundial.)

Mês: Maio

Um pouco sobre mim:

Eu sou: Lia

Moro em: Portage - Michigan - EUA

Na net, você me encontra: no blog Quero Morar em uma Livraria .

Neste mês eu li:

Título: O Violoncelista de Sarajevo (The Cellist of Sarajevo)

Autor: Steven Galloway

Editora: Rocco

Número de páginas: 198

O livro é sobre: baseado em um fato real, um violoncelista que tocava em locais atingidos por bombas em Sarajevo, o livro narra a história de  três pessoas tentando sobreviver durante o cerco da cidade. 

Contexto historico (Wikipedia):

O cerco de Sarajevo foi o mais longo cerco da história da guerra moderna, realizado pelas forças sérvias da autoproclamada República Sérvia e do Exército Popular Iugoslavo, que durou de 5 de abril de 1992 a 29 de Fevereiro de 1996 durante a Guerra da Bósnia entre as mal equipadas forças de defesa da Bósnia e Herzegovina e o Exército Popular Iugoslavo e o da República Sérvia , situados nas colinas que rodeiam a cidade. 

Após a Bósnia e Herzegovina declarar sua independência da Iugoslávia, os sérvios, cujo objetivo estratégico era criar um novo Estado Sérvio, que incluiria parte do território da Bósnia e Herzegovina, cercam e bloqueiam Sarajevo.  As forças de defesa do governo bósnio estavam mal equipadas e incapazes de romper o cerco. Estima-se que mais de 12.000 pessoas foram mortas e 50.000 feridas durante o cerco; 85% das vítimas eram civis. Por causa dessas mortes e da  migração forçada, em 1995 a população da cidade caiu para 334.663 pessoas (64% da população antes da guerra).

 
Sinopse: "Mais uma bomba explode sobre Sarajevo, matando 22 pessoas que esperavam numa fila para comprar pão. Desta vez, no entanto, não reinará o silêncio. O violoncelista que observava a catástrofe da janela de seu apartamento resolve prestar uma homenagem aos mortos da guerra. Durante os 22 dias seguintes, ele se vestirá em trajes de gala, descerá as escadas de seu prédio e, no meio da cratera deixada pela bomba, tocará o Adágio de Albinoni.

  O violoncelista não sabe ao certo por quê, mas a música recupera as cores de uma cidade que, atualmente, se deteriora em tons de cinza. Sarajevo está sob o cerco dos homens que espreitam das colinas. As condições de vida fazem com que os moradores da cidade se deparem, a todo instante, com a precariedade da existência, que, em dias de paz, se mantém sempre tão velada. As narrativas da vida de Arrow, Kenan e Dragan, acompanhadas de perto neste sensível romance, são apenas um dramático recorte da vida de um povo sob cerco."

  Esse livro não explica os motivos da guerra, não descreve propriamente o conflito; mostra como é o cotidiano de pessoas comuns, como um trabalhador da padaria (Dragan), um pai de familia (Kenan) ou uma jovem (Arrow) que se torna a melhor atiradora do exército por não aguentar mais ver pessoas inocentes serem assassinadas.

Dragan tem que atravessar a cidade para chegar ao seu trabalho, mas por causa dos atiradores, essa é uma missão suicida. Não consegue mais se relacionar com as pessoas, pois acha que nada mais será como antes.

Kenan tem tambem uma missão: buscar água para sua família e para a vizinha mal agradecida, ja que toda água e energia da cidade foram cortados. Seu pensamento durante a guerra é que se tornou um covarde, por apenas desejar a sua sobrevivência e de sua família.

Arrow tem seu próprio código de honra: só mata quem ela escolhe. No decorrer da história, sofre um conflito interno por sentir que está se tornando igual ao seu inimigo.

Todos serão afetados pelo violoncelista de alguma maneira.

 
Eu escolhi este livro porque: troquei há tempos no Trocando Livros e não havia tido a oportunidade de lê-lo. Não me arrependi da escolha; o livro é curto mas excelente!

O que mais me chamou atenção na capa foi: a capa é maravilhosa! Uma foto real da bailarina Nina Brulic, de 18 anos, dançando nas ruínas de Sarajevo em 1993.

A leitura foi: muito boa; apesar de ter muitas descrições das ruas destruídas da cidade, não foi cansativa.

Trechos que mais gostei:

"Não é assim que deveríamos nos comportar? Não é assim que costumávamos ser? - Eu não sei - responde Dragan. - Não consigo me lembrar se éramos assim, ou se apenas pensamos que éramos. Parece impossível lembrar como as coisas eram."

"Ele sabe que se quiser ser uma das pessoas que reconstruirão a cidade, uma das pessoas que tem o direito até mesmo de falar sobre como Sarajevo deveria consertar a si mesma, então ele precisa sair e encarar os homens nas colinas. A cidade está cheia de gente fazendo a mesma coisa que ele, e todos encontram um meio para dar continuidade a vida. Eles não são covardes, e não são heróis." (Kenan)

"Será que ela pensa que é boa por matar homens maus? Será? Será que importa o motivo que a faz matá-los? Ela sabe que não so os mata porque eles estão matando seus companheiros cidadãos. Isto é apenas uma parte. Ela mata porque os odeia. O fato de que ela tem uma boa razão para odiá-los a absolve?" (Arrow)

"Porque a civilização não é uma coisa que você construa e esta pronta, você a tem para sempre. Ela precisa ser construída constantemente, recriada diariamente. Ela desaparece mais rapidamente do que ele jamais pensou ser possível. E se ele deseja viver, então deve fazer o que pode para evitar que o mundo em que quer viver se apague. Enquanto durar a guerra, a vida é uma medida provisória." (Dragan)

"Os homens nas colinas não tinham que ser assassinos. Os homens na cidade não tinham que se se rebaixar para ser como seus agressores. Ela não tinha que viver cheia de ódio. A uúsica exigia que se lembrasse disso, que conhecesse uma total certeza de que o mundo ainda possuía a capacidade para a bondade. As notas eram a prova disso." (Arrow)
A nota que dou para o livro: 5

(nota de 1 a 5, sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5- Adorei)

Curiosidades:

 O violoncelista real: Vedran Smailović

Vedran Smailović tocando nas ruínas da biblioteca em Sarajevo

Um vídeo mostrando o violoncelista vinte anos depois da guerra, neste site .





5 comentários:

  1. Oiii Lia!!! A história parece linda mesmo... Também gosto de romances históricos, principalmente se forem Russas, ultimamente cismei, hehe... Beijãooo

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lia! Tenho muito interesse pela temática. Até já namorei esse livro tempos atrás. Anotei a dica para não esquecer dele mais. Bjs

    ResponderExcluir
  3. Muito boa a dica, parabéns!! O livro parece ótimo, não conheço muitas histórias ambientadas no leste europeu, obrigada!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Esse livroeh maravilhoso, um dos melhores da minha lista, com certeza... Gostei do seu blog, também faço resenhas inckuindo os trechos que mais me inspiraram... Sucesso, bj ( http://lemondemari.blogspot.com )

    ResponderExcluir
  5. Tem filme desse livro ?

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo