segunda-feira, 31 de maio de 2010

Movimento "Comente Mais"

Já vi esse selinho em vários blogs e agora resolvi aderir. Texto do movimento:


"Quantas vezes você visita um blog, lê um post interessante, a mão coça para comentar, mas sai sem deixar nenhum comentário?As vezes porque surgiu um imprevisto, ou porque esquecemos mas acredito que se for pra falar besteira ou não curtiu o que viu ou leu e melhor nem comentar. Educação e bom senso nao faz mal a ninguem!!!


O movimento é para conscientizar todas nós da importância de deixar um comentário quando visitamos um blog, porque é através dos comentários que a interação acontece, as ideias surgem e com isso vamos melhorando o conteúdo, sempre!

Então quer fazer parte do movimento? Copie o selo se tiver um blog e se não tiver, "comentemais!!!"

Vamos comentar, gente...nem que seja apenas para dizer, gostei ou não gostei..rs..

domingo, 30 de maio de 2010

Chegou: Meu box Jane Austen

Valeu a pena o gasto...a coleção Jane Austen com sete  DVDs das minisséries da BBC é linda demais!!! Comecei a ler os livros há pouco tempo, mas nunca havia assistido nenhuma, nem a tão falada Orgulho e Preconceito com o fofo Colin Firth. Vou colocar umas fotos aqui para verem como é linda:
Caixa com "envoltório"


Papel de carta com selos (lindos!)
Caixa (parece madeira mas é papelão)



Caixa com os DVDs




Orgulho e Preconceito (três DVDs)



Emma (dois DVDs)


Razão e Sensibilidade (dois DVDs)



Caixa (atrás)

Agora só preciso arrumar tempo para assistir tudo...as minisséries e os extras também.

sábado, 29 de maio de 2010

Alice - Edição Comentada


"O livro conta a história das aventuras de Alice ao cair numa toca de coelho, que a leva a um lugar povoado por criaturas que misturam características humanas e fantásticas que lhe apresentam enigmas. Nesta edição comentada da obra 'Alice no país das Maravilhas' e 'Através do Espelho' o leitor encontrará notas de Martin Gardner - esclarecendo artifícios literários, estruturas narrativas e explicando trocadilhos da época, enigmas ou mesmo as alusões à vida pessoal do autor - buscando dar sentido a passagens não esclarecidas nas traduções até então disponíveis em português. O livro traz ainda esboços descobertos; uma introdução situando 'Alice no País das Maravilhas' e 'Através do Espelho' no contexto da Inglaterra vitoriana; bibliografia da obra de Lewis Carroll; Filmografia, com os filmes já produzidos sobre Alice e um episódio de 'Através do Espelho - O Marimbondo de Peruca'.

As notas de Martin Gardner – um dos maiores especialistas em Carroll – dão sentido a passagens nunca antes elucidadas, esclarecendo trocadilhos de época, enigmas lógicos e referências à vida pessoal do autor, além de tornarem possível uma tradução mais próxima da versão original. Uma revolução nas interpretações das histórias de Alice, proporcionando a crianças e adultos do século XXI o caminho perfeito para penetrar no País das Maravilhas e no mundo invertido do Espelho. Cortem a cabeça de quem ficar de fora desta!"


Demorei muito para ler esse livro; não que ele seja difícil de ler, é que acabei passando outras leituras na frente e ele ficou abandonado...pretendia terminá-lo antes de ir assistir ao filme de Tim Burton, mas não deu. Mesmo quem nunca leu nenhum dos dois livros, conhece a história de Alice. Vou confessar que lembrava mais pelo filme da Disney do que das leituras que havia feito muitos anos atrás. Acho o primeiro livro mais "fácil" de entender; o segundo, que é todo baseado em uma partida de xadrez, é bem mais confuso. As notas explicativas de Martin Garder ajudam bastante,como ele mesmo diz na introdução: "No caso de Alice, estamos lidando com uma espécie de nonsense muito curioso, complicado, escrito para leitores britânicos de um outro século, e precisamos conhecer um grande número de coisas que não fazem parte do texto se quisermos apreender todo seu espírito e sabor. É até mais grave do que isso, porque algumas piadas de Carroll só podiam ser compreendidas por quem residia em Oxford, e outras, ainda mais privadas, só estavam ao alcance das encantadoras filhas do deão Liddell."

Além disso, muitos dos trocadilhos e outros jogos linguísticos fazem mais sentidos na língua original; com a tradução perde-se um pouco a graça. Apesar de toda magia da história, é uma leitura difícil para crianças.

Sobre o autor:

Charles Lutwige Dodgson, mais conhecido como Lewis Carroll, era um solteirão tímido e excêntrico que lecionava matemática no Christ College, em Oxford. Gostava muito de brincar com matemática, lógica e palavras, de escrever textos nonsense e da companhia de menininhas encantadoras. Em um dos passeios com as filhas do reitor de Oxford, Alice, Ina e Edith, Charles contou a história que mais tarde chamaria de "As aventuras de Alice no mundo subterrâneo". Alice, com 10 anos, gostou tanto da história que pediu que ele a escrevesse. Mais tarde, a história mudou de nome - Aventuras de Alice no País das Maravilhas. Alguns anos depois, escreveu a continuação - Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá.

Gostei muito de ambos os livros e a introdução ajudou a saber bem mais sobre a vida de Lewis Carroll; apesar de conhecer muito da sua biografia, não pude evitar o choque ...vou falar mais sobre isso quando fizer a resenha do livro que li logo a seguir: Eu Sou Alice (Melanie Benjamin).

quinta-feira, 27 de maio de 2010

A Elegância do Ouriço - trailer do filme


O livro A Elegância do Ouriço foi um dos melhores livros que já li. Não vou fazer uma resenha, pois faz tempo que o li. Descobri ontem que foi feito um filme baseado no livro e pelo trailer, parece ser tão bom quanto o livro.

Sinopse do livro:

"À primeira vista, não se nota grande movimento no número 7 da Rue de Grenelle: o endereço é chique, e os moradores são gente rica e tradicional. Para ingressar no prédio e poder conhecer seus personagens, com suas manias e segredos, será preciso infiltrar um agente ou uma agente ou - por que não? - duas agentes. É justamente o que faz Muriel Barbery em A elegância do ouriço, seu segundo romance.

Para começar, dando voz a Renée, que parece ser a zeladora por excelência: baixota, ranzinza e sempre pronta a bater a porta na cara de alguém. Na verdade, uma observadora refinada, ora terna, ora ácida, e um personagem complexo, que apaga as pegadas para que ninguém adivinhe o que guarda na toca: um amor extremado às letras e às artes, sem as nódoas de classe e de esnobismo que mancham o perfil dos seus muitos patrões.

E ainda há Paloma, a caçula da família Josse. O pai é um figurão da política, a mãe dondoca tem doutorado em letras, a irmã mais velha jura que é filósofa, mas Paloma conhece bem demais o verso e o reverso da vida familiar para engolir a história oficial. Tanto que se impõe um desafio terrível: ou descobre algum sentido para a vida, ou comete suicídio (seguido de incêndio) no seu aniversário de treze anos. Enquanto a data não chega, mantém duas séries de anotações pessoais e filosóficas: os Pensamentos profundos e o Diário do movimento do mundo, crônicas de suas experiências íntimas e também da vida no prédio.

As vozes da garota e da zeladora, primeiro paralelas, depois entrelaçadas, vão desenhando uma espiral em que se misturam argumentos filosóficos, instantes de revelação estética, birras de classe e maldades adolescentes, poemas orientais e filmes blockbuster. As duas filósofas, Renée e Paloma, estão inteiramente entregues a esse ímpeto satírico e devastador, quando chega de mudança o bem-humorado Kakuro Ozu, senhor japonês com nome de cineasta que, sem alarde, saberá salvá-las tanto da mediocridade geral como dos próprios espinhos." (retirado do site da Companhia das Letras)





Esse livro possui uma sensilibilidade, uma leveza...apesar de parecer um pouco pesado, filosófico demais, não é. Eu emprestei o meu para uma amiga que mora em outra cidade, mas estou querendo pedir de volta...rs...é um ótimo livro para ler e reler sempre. O título é bem curioso e o porquê dele está explicado neste trecho: “A sra. Michel tem a elegância do ouriço: por fora, é crivada de espinhos, uma verdadeira fortaleza, mas tenho a intuição de que dentro é tão simplesmente requintada quanto os ouriços, que são uns bichinhos indolentes, ferozmente solitários e terrivelmente elegantes”.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Lost in Austen


Finalmente consegui assistir essa maravilhosa minissérie produzida pela ITV, uma emissora londrina...baixei dois episódios ontem, adorei e fiquei louca para assistir o resto; consegui hoje terminar de baixar. É muito fofa! Para quem ainda não sabe do que se trata, vamos à sinopse:



Amanda Price é uma jovem moradora de Londres, nos dias de hoje, apaixonada por Jane Austen, mais especificamente, pela obra Orgulho & Preconceito. Leva uma vida normal, com um emprego entediante e um namorado idem; seu ponto alto no dia é tomar um copo de vinho lendo O&P. Um dia, ouve um barulho no banheiro e, surpresa, descobre Elisabeth Bennet, a heroína do livro, em carne e osso...Lizzy conta que entrou por uma portinhola no sótão de sua casa e acabou parando no banheiro de Amanda. Esta,  curiosa, entra na casa dos Bennets. Nisso a porta se fecha não sendo possível mais abri-la. Amanda fica então presa na Inglaterra de Jane Austen enquanto Lizzie fica na Inglaterra moderna. Imagine a confusão....


Elisabeth Bennet, Amanda e Mr. Darcy

E bota confusão nisso...Amanda é engraçadíssima e sua presença bagunça toda a história, mudando completamente o rumo dos personagens. No início, ela fica encantada por conhecer pessoalmente os lugares e os personagens com quem tanto sonhou. Conforme o tempo vai passando, ela os conhece melhor, principalmente Mr. Darcy e se decepciona com sua arrogância e grosseria. Falando sério..este Mr. Darcy é chato demais!! O pior de tudo é que eles acabam se apaixonando o que complica ainda mais a história.


Lizzy moderna

Fiquei um pouco surpresa com o final, não era o que eu estava esperando. Gostei muito de ver Elisabeth nos dias de hoje, pena que foi apenas no último episódio...uma ótima ideia seria a continuação, tipo Lizzy Bennet lost in London...seria muito interessante.



Trailer:


Elenco:
Jemima Rooper ... Amanda Price

Elliot Cowan ... Mr. Darcy
Hugh Bonneville ... Mr. Bennet
Florence Hoath ... Kitty Bennet
Alex Kingston ... Mrs. Bennet
Morven Christie ... Jane Bennet
Perdita Weeks ... Lydia Bennet
Tom Mison ... Mr. Bingley
Ruby Bentall ... Mary Bennet
Christina Cole ... Caroline Bingley
Tom Riley ... Mr. Wickham
Guy Henry ... Mr. Collins
Gugu Mbatha-Raw ... Pirhana
Daniel Percival ... Michael
Gemma Arterton ... Elizabeth Bennet
Lindsay Duncan ... Lady Catherine de Bourgh
Michelle Duncan ... Charlotte Lucas

Pesquisando na internet, descobri que a minissérie foi baseada neste livro (que não está a venda no Brasil; achei por U$ 10.00 na Amazon :
 
 
Lost in Austen - Emma Campbell

E da mesma autora:

Being Elizabeth Bennet: Create Your Own Jane Austen Adventure

Ahhh...esqueci de contar que fiquei empolgada com a minissérie e fiz uma pequena loucura...comprei isso .

terça-feira, 25 de maio de 2010

Múltipla Escolha - Lya Luft


Sinopse:

"A vida é um cenário com um palco e com muitas portas, e diversas maneiras de encarar esse jogo: como um trajeto, um naufrágio, um poço, uma montanha. Somos, em parte, resultado das nossas próprias decisões. Em Múltipla Escolha, Lya Luft pondera sobre alguns mitos enganosos da nossa cultura, que, embora criados por nós, dificultam nossa tarefa existencial.

Os homens desde sempre criaram mitos para explicar o que não poderiam entender: nascimento e morte; nossos impulsos mais sombrios; o desejo de eternidade. No entanto, Lya Luft mostra que muitos desses mitos fundadores se modificaram na nossa sociedade moderna e faz nesse ensaio uma profunda reflexão sobre o que ela chama de "nossos enganos", os mitos modernos criados para abafar a angústia e disfarçar a futilidade do nosso dia a dia.

Um exemplo disso é a suposta liberdade que alcançamos. Longe de uma sociedade livre, somos, nessa cultura impositiva tão cheia de obrigações, prisioneiros do que a autora chama de síndrome do "ter de". Da busca pela eterna juventude à ética na política, passando pelas transformações da família, Lya Luft mostra o quanto estamos enredados em práticas opressoras e que é importante assumir as rédeas de nossa vida e o caminho de nossa sociedade e cultura." (retirado na orelha do livro)

Adoro os livros de Lya Luft, só o penúltimo, O Silêncio dos Amantes, de contos, que não gostei muito. Esse, Múltipla Escolha, achei muito bom, assim como Perdas e Ganhos, que é o meu preferido. Gosto de sua sinceridade, de como ela tem coragem de escrever sobre assuntos muitas vezes espinhosos, e escreve com uma leveza ímpar...

É muito difícil resenhar um livro dela, pois fala muito de sentimentos, de pensamentos, ideias...este está dividido em partes: o índice é chamado de roteiro; os capítulos são denominados:

1 - Abrindo a cortina
2 - Um palco para os mitos (sobre velhice, juventude, medos, preconceitos)
3 - A palavra difícil (sobre comunicação entre pessoas, família, educar filhos)
4 - Múltipla escolha (sobre mundo moderno, tecnologia, drogas)
5 - Cena final

Gostei muito da parte que fala sobre a família, relacionamento entre pais e filhos e sobre educação de crianças, pelos pais e também professores. Eu sempre fico com um lápis ou caneta na mão para sublinhar alguma parte que gosto, mas nesse foi complicado, sublinhei quase o livro todo...rs..






Acima de tudo, é um livro sobre escolhas que fazemos na vida, como o título mesmo diz. Sobre não se acomodar e buscar uma vida melhor: "...quando alguém resolve não pagar mais o altíssimo tributo da acomodação, mas construir e viver sua história, está pela primeira vez para si mesmo dizendo sim."

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Desafio Literário - Maio: Em Seu Lugar - Jennifer Weiner (Livro Reserva)

Esse mês fiz uma troca com os livros do Desafio Literário, pois o que eu havia escolhido (Lembra de Mim?- Sophia Kinsella) acabei lendo antes. Então, li Tem Alguém Aí - Marian Keyes (resenha aqui). Já o livro reserva era Aqui é o Melhor Lugar - Cecelia Ahern, que eu não tinha e não comprei porque achei caro demais. O resultado de tanta troca foi que acabei lendo um livro que havia escolhido para outro mês do Desafio (Julho - Livro Adaptado para o Cinema): Em Seu Lugar - Jennifer Weiner.


Tema: Chic-Lit
Mês: Maio
Livro escolhido: Em Seu Lugar (In Her Shoes)
Autora: Jennifer Weiner
Editora: Record
Número de páginas: 458

Sinopse:

Duas irmãs exatamente iguais e completamente diferentes.


Maggie, a caçula, é bonita e disléxica e sabe como conseguir tudo o que quer - mas não sabe manter o que conquista. Rose, a mais velha, é desajeitada, inteligente e responsável, sabe tudo sobre leis e tribunais, mas não sabe o que exatamente a faria feliz.

Apesar de estar acostumada às confusões da caçula, Rose não se sente capaz de perdoar a irmã quando ela seduz seu novo namorado. A briga as leva a repensar suas vidas. Rose inicia um período sabático, encontra um novo trabalho e muda seu estilo de vida. Maggie se esconde em Princenton, aprende a gostar de poesia e guarda algum dinheiro.

Mas com a ajuda de Ella, a avó que vivia afastada das meninas havia muito tempo, Maggie e Rose vão descobrir os mistérios da família e aprender a lidar com suas neuroses, vulnerabilidades e talentos.

O livro é sobre: relações familiares, principalmente entre irmãs. Tenho uma irmã cinco anos mais nova (não é problemática como Maggie...), brigamos muito quando éramos mais novas mas hoje nos damos super bem; então, sei que esse relacionamento às vezes não é muito fácil. Também é sobre descobrir a si mesma,  o que realmente quer fazer da  vida e ter coragem de realizar seus sonhos.

O título do livro em inglês, In Her Shoes, relaciona-se ao fato das irmãs usarem o mesmo número de sapatos. Como Rose ganha muito bem como advogada, ela gasta muito comprando sapatos, sempre lindíssimos e fica muito brava por Maggie sempre usá-los sem pedir.

Eu escolhi este livro porque: já expliquei acima que fiz umas trocas entre os livros do desafio; havia escolhido este para o mês de julho. Como já havia assistido ao filme (O livro foi adaptado para o cinema em 2005, com Toni Collete como Rose, Cameron Diaz como Maggie e Shirley MacLaine com a avó das duas) e gostado muito, resolvi ler o livro. Gostei de ambos, acho que o livro foi muito bem adaptado, apesar de ser bem mais longo do que o filme. Acho que a Maggie do livro é bem pior do que a do filme; fiquei com muita raiva dela em algumas partes...

A leitura foi: muito agradável; é um livro muito fácil de ler apesar de ser bem longo.

Sobre a autora: Jennifer Weiner nasceu em De Ridder, Louisana. Formou-se em Inglês em Princenton e escreveu colunas e contos para revistas e jornais. Em 2001, publicou seu primeiro livro, Bom de Cama, que conquistou o público brasileiro. Atualmente vive com o marido na Filadélfia.

Curiosidades:

Jennifer Weiner faz uma ponta no filme. Ela aparece caminhando ao fundo da cena em que as personagens Rose Feller (personagem de Toni Collette) e Amy (papel de Brooke Smith) estão em um mercado italiano. A avó e a irmã da escritota Jennifer Weiner também fazem uma pequena participação no filme.





Muito lindo o poema que Maggie recita no casamento de Rose (acho que isso não é spoiler, é??):

 "Carrego seu coração comigo


(eu o carrego no meu coração)

nunca estou sem ele

(onde quer que eu vá, você vai, minha querida;

e o que quer que seja feito por mim

é feito por você, minha querida)

não temo o destino

(pois você é o meu destino, minha vida)

não quero o mundo

(pois você é o meu mundo, minha adorada)

e você é o que a lua sempre significou,

o que sol sempre cantou

aqui está o segredo mais profundo que ninguém sabe

(aqui está a raiz da raiz, o broto do broto

e o céu do céu de uma árvore chamada vida;

que cresce mais alta do que a alma pode ansiarou

a mente pode esconder)

e aqui está o fenômeno que mantém as estrelas separadas.

carrego seu coração (eu o carrego no meu coração)"
e.e. Cummings

domingo, 23 de maio de 2010

Prezada Julieta: milhares de cartas enviadas à personagem

Muito interessante a reportagem que li no site do jornal O Estado de São Paulo, que reproduzo abaixo:

Funcionários de um clube em Verona respondem cartas enviadas do mundo todo para a Julieta de Shakespeare ( John Hooper, The Guardian )

"Para encontrar o local mais romântico na cidade natal de Romeu e Julieta, Verona, é preciso tomar uma rua de pista dupla que sai do centro pitoresco e depois descer uma ladeira até uma decrépita propriedade industrial. Depois do cemitério, perto de um desvio ferroviário, está um escritório cujo negócio são os segredos mais apaixonadamente guardados das pessoas, suas mais profundas esperanças e temores. A sede do Club di Giulietta (Clube de Julieta) é também a inspiração para um filme a ser lançado em breve. Letters To Juliet (Cartas a Julieta) conta a história ficcional de uma jovem jornalista americana que se une a este notável grupo de voluntários, respondendo a mensagens - enviadas de todo o globo para a heroína de Shakespeare - por amantes procurando conselho, ou como um pretexto para se aliviarem.

Cena do filme Letters to Juliet

 
O filme coloca os secretários de Julieta num escritório que dá para uma varanda da casa onde se alega que a heroína de Shakespeare viveu. Embora o clube tenha um posto avançado ali, o trabalho mesmo é feito por 15 voluntários não remunerados neste pequeno escritório de tijolo vermelho perto dos trilhos da ferrovia.


Sentadas em torno de uma mesa forrada de cartas manuscritas, três dos "secretários" reais de Julieta, Giovanna Tamassia, Elena Marchi e Gioia Ambrosi, contam histórias que são alternadamente tocantes e curiosas, e até provocadoras e dilacerantes.



Até onde se sabe, a primeira carta, endereçada simplesmente a "Julieta, Verona", chegou nos anos 1930, provavelmente em decorrência da versão da tragédia de Shakespeare no filme de George Cukor. A carta acabou chegando ao "túmulo de Julieta", outro local de duvidosa autenticidade, na cripta de um mosteiro encostado nos muros da cidade. O funcionário do local, um veterano que aprendera um pouco de inglês na Primeira Guerra Mundial, decidiu responder. E continuou respondendo à medida que novas cartas chegavam.

Após a 2ª Guerra, um poeta local assumiu secretamente o papel de secretário de Julieta, mas desistiu, aparentemente por embaraço, quando sua identidade foi descoberta. Por fim, nos anos 1980, o prefeito de Verona decidiu entregar a tarefa ao Club di Giulietta, um grupo formado para promover iniciativas associando sua cidade à peça de Shakespeare.


No começo de maio, então, forma-se um engarrafamento constante de pessoas embaixo da arcada, com visitantes entrando e saindo da suposta casa de uma personagem de ficção. Um informe diz aos visitantes que desde o século 12 a casa pertenceu a uma família chamada Capello, acrescentando, para não haver dúvidas, que "daí deriva o nome Capuleti, a casa nobre de Julieta". A casa de Julieta possui também uma caixa postal onde as cartas podem ser deixadas, e quatro terminais de computador montados em gabinetes metálicos que imitam antiguidades, nos quais os visitantes podem digitar uma mensagem para a garota que pendia "da maçã do rosto da noite como uma rica joia numa orelha de etíope". Surpreendentemente, talvez, os e-mails são menos de 10% das mensagens que chegam aos escritório dos secretários.

Das cartas, a imensa maioria é manuscrita com caneta e tinta. E é assim que elas são sempre respondidas. "O que as pessoas com frequência escrevem é: ´Você é a única que pode me compreender`", diz Giovanni Carabetta, o arquivista do clube.

O aspecto mais extraordinário, talvez, desse empenho todo é que os secretários fazem isso de graça. "Bem, o conselho nos dá o dinheiro para os selos", explica Giulio Tamassia. "Mas ele nem é suficiente (para cobrir a postagem). Agora mesmo, estou tendo uma disputa com o conselho. O que nós fazemos traz toda sorte de vantagens para Verona, e acho que já é hora de eles pararem de nos tratar assim. Estamos trabalhando por nada." Carabetta sorri. "Não por nada, Giulio... Pelo prazer de ler essas cartas maravilhosas."

E, quem sabe, em alguns casos, por outras razões mais pessoais. "Isso me ajudou a acreditar novamente nos sentimentos", diz Marchi. "Se um caso de amor é feliz, ele é feliz, Mas o que conta é ter um coração que esteja vivo, não é? Estar em contato com os próprios sentimentos, do jeito que forem as coisas. Não há nenhuma garantia no futuro." Um sentimento com o qual a Julieta verdadeira - ou melhor, ficcional - teria fervorosamente concordado. (Tradução de Celso M. Paciornik)"



Eu já vi o trailler do filme, parece ser uma graça (e ainda tem o Gael García Bernal...); para quem quiser ver:

sábado, 22 de maio de 2010

Editora Rocco relança obras de Clarice Lispector com novos projetos de capa

Desde que resolvi criar o Desafio Clarice Lispector (para saber mais sobre o Desafio, é só clicar no banner ao lado), comecei a comprar os livros que eu não possuia da Clarice. Comprei apenas O Lustre (que estou enroscada na leitura), A Maçã no Escuro e A Cidade Sitiada. Se eu soubesse que a Editora Rocco iria relançar os livros com novas capas, teria esperado um pouco....as capas são maravilhosas!

Algumas capas:










Ficaram lindas demais..dá vontade de comprar livro repetido só pelas capas; amei a do Felicidade Clandestina (que já tenho o antigo...)

sexta-feira, 21 de maio de 2010

A Mão Esquerda de Deus - Paul Hoffman


"Preste atenção. O Santuário dos Redentores no Penhasco de Shotover deve seu nome a uma grande mentira, pois há pouca redenção naquele lugar e ele tampouco serve de refúgio divino."

É com esse alerta que o inglês Paul Hoffman começa A Mão Esquerda de Deus, um livro sombrio e cheio de mistério. Estréia do autor no romance aventura, a obra vem sendo divulgada no exterior como um "novo Harry Potter", muito embora o autor não recorra a elementos sobrenaturais nem raças não- humanas em sua narrativa.

O cenário da trama é desolador. Habitado por meninos que foram levados para lá muito novos e geralmente contra a sua vontade, o Santuário dos Redentores é uma mistura de prisão, monastério e campo de treinamento militar. Lá, esses milhares de garotos são submetidos a uma sádica preparação para lutar contra hereges que vivem nas redondezas. A intenção dos Lordes Opressores, os monges que protegem o lugar, é fortalecer os internos tanto física quanto emocionalmente, preparando-os para uma monstruosa guerra entre o bem e o mal.

Entre os jovens está Thomas Cale. Não se sabe ao certo se ele tem 14 ou 15 anos ou como foi parar ali. O que se sabe é que Thomas tem uma capacidade incomum de matar pessoas e organizar estratégias de combate. Essas poderosas habilidades serão colocadas à prova quando ele e dois amigos testemunham um brutal assassinato entre os corredores labirínticos da prisão. A visão do crime dá início a uma perseguição desesperadora e, finalmente fora dos muros do monastério, Cale irá compreender a extensão da crueldade dos lordes e a verdadeira origem de seu poder.

O livro A Mão Esquerda de Deus, da Editora Objetiva, transporta o leitor para um mundo brutal e sombrio, onde um menino terá que enfrentar muitos perigos para descobrir a sua origem e o seu destino. Mas ele não
está indefeso em sua jornada, pois esconde incríveis poderes capazes de salvar ou destruir o mundo.

Quando li o título desse livro, não sei porque pensei que fosse um livro de terror...parece que tem um  pouco de suspense na trama, mas não é aterrorizante. Este é o primeiro livro de uma nova série de fantasia que está sendo comparada a obras como Harry Potter e Senhor dos Anéis pela qualidade da trama e complexidade de seus personagens. Imagino que será uma série daquelas que a gente não consegue largar até terminar de ler todos os livros!

Sobre o autor:

Paul Hoffman passou a maior parte da infância em campos de pouso, vendo seu pai, pioneiro da prática esportiva do paraquedismo, saltar de aviões. Depois de se formar em Inglês no New College, em Oxford, teve vários empregos, de professor a administrador de uma casa de apostas e mensageiro de banco. Mais tarde, foi o principal agente de classificação etária do Departamento Inglês de Classificação de Filmes. É o autor de The Wisdom of the Crocodiles e de The Golden Age of Censorship. É também roteirista de cinema.



Para saber mais sobre o livro:

Site Oficial . O site disponibiliza para seus leitores o primeiro volume da série As Três Visões, que apresenta o universo da obra na forma de uma história em quadrinhos sobre a origem da lenda.
Blog
Orkut
Twitter
Facebook
You Tube

Book Trailler:




quarta-feira, 19 de maio de 2010

Concurso Cultural Bienal Internacional do Livro de SP




Concurso Cultural  - “O SLOGAN DA BIENAL DO LIVRO QUEM CRIA É VOCÊ”.

Muito legal esse concurso pormovido pelo site da Bienal Internacional do Livro de São Paulo. É só criar um slogan para Bienal deste ano. A Bienal será realizada de 12 a 22  de agosto. Gostaria muito de ir, mas não sei se ainda estarei morando no Brasil nessa época...pena...

Prêmios:

Primeiro Lugar:


Segundo Lugar:


Terceiro Lugar:



Prêmios para os dez primeiros colocados:




Inscrições e mais informações no site http://www.concursobienaldolivro.com.br/

terça-feira, 18 de maio de 2010

Sorteio: Feios - Scott Westerfeld - Inscrições encerradas


Eu sei que já existem "milhões" de blogs sorteando o mesmo livro..rs...mas que tal mais uma chance para ganhar "Feios" de Scott Westerfeld? O blog Quero Morar em uma Livraria em  parceria com o Núcleo da Idéia e a Editora Galera Record vai sortear um exemplar do livro. Para participar do sorteio é só seguir as regras e responder corretamente a pergunta referente ao book trailler.

Para conhecer mais sobre o livro, clique aqui .

Regras:
Ser residente no Brasil;
Ser seguidor do blog Quero Morar em uma Livraria;
Deixar um comentário neste post dizendo: "Quero conhecer Nova Perfeição, a cidade onde beleza é fundamental."
Preencher o formulário  abaixo:








Inscrições: do dia 18/05 ao dia 31/05 até a meia-noite.
Sorteio: dia 01/06
O vencedor(a)  terá dois dias para responder e-mail, fornecendo nome e endereço completo.

Quem quiser divulgar no blog, twitter, etc..fique à vontade, mas não é pré-requisito.

Locadora de Livros




Há tempos estava para escrever esse post e acabava esquecendo...é sobre um lugar que adoro frequentar; só não vou mais porque não fica na minha cidade, apesar de ser bem perto. É uma locadora de livros, a Balaio de Gato, que fica em Sorocaba - SP. Achei brilhante essa ideia de locar livros e só não monto um negócio como esse na minha cidade porque iria à falência...aqui parece que ninguém lê, só eu..rs...




A empresa (retirado do site)
"Balaio de Gato é a primeira locadora de livros de Sorocaba. Inaugurada no dia 13/01/2006 pelas proprietárias Juliana e Maria Helena, iniciando suas atividades com um acervo de 250 títulos, e hoje contamos com mais de 2.000 títulos à disposição de nossos clientes e amigos.

A proposta do Balaio de Gato é proporcionar através da locação, mais uma opção de acesso a leitura, permitindo que o leitor tenha a oportunidade de ler várias obras a um baixo custo.



A idéia surgiu no intuito de reunir pessoas que apreciam a leitura como lazer e proporcionar oportunidade para que elas possam apreciar bons livros. Até mesmo facilitar o acesso àquelas pessoas que tem dificuldades em se locomover, ou mesmo indisponibilidade de tempo, pois oferecemos o serviço de delivery, entregando a obra desejada pelo cliente em sua casa, ou outro local indicado."



Quanto Custa


A locação custa R$ 4,50 (taxa mínima por uma semana), e após esse período será acrescentado R$ 0,50 por dia. O delivery custa entre R$ 1,50 e R$ 2,50 por viagem.


Não é uma excelente ideia? Pagar apenas R$ 4,50 por livros novos, bem conservados, lançamentos (que muitas vezes custam caríssimo). Quem for de Sorocaba e região e ainda não conhece essa locadora está perdendo tempo!

Para conhecer mais sobre a locadora e o acervo: site - http://www.balaiodegatolivros.com.br/
Informações e fotos retiradas do site.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Produto Inovador: BOOK

"Ele é mais moderno que o iPad e que o Kindle para leitura de textos. Além disso, não precisa de bateria e é muito mais barato que qualquer aparelho do tipo. Conheça o BOOK."

Amei esse video!

Coleção Jane Austen DVD



Eu quero...muito!!! Será que não tem uma fada madrinha para realizar meu desejo???

Coleção: DVD Jane Austen - 7 DVDs


A Coleção Jane Austen BBC traz as produções definitivas das principais obras da autora mais querida dos britânicos com a qualidade da BBC, com roteiros de Andrew Davies e Sandy Welch - ambos vencedores do BAFTA.

Tendo publicado apenas quatro romances em vida, Austen morreu jovem, aos 41 anos, deixando um legado literário que ganharia consideração maciça no decorrer dos anos. Com a Coleção, você pode conhecer um pouco mais da artista que encanta a todos há quase dois séculos.



Orgulho e Preconceito



Lizzy Bennet (Jennifer Ehle) é uma romântica e decidida mulher que não concebe a idéia de se casar sem amar o esposo e ao conhecer Mr. Darcy (Colin Firth, Bridget Jones e Febre de Bola) cria por ele uma antipatia imediata que ganhará outros contornos conforme os acontecimentos.



Emma


Emma é a história de uma jovem tão empenhada em arranjar o amor para os outros que não conseguia ver o que se passava diante de seus próprios olhos. Linda, inteligente e rica, Emma Woodhouse gasta seu tempo bancando o cupido, mas se dá conta de que as pessoas não são como ela imaginava e se vê forçada a amadurecer numa produção com um elenco estelar em um dos lançamentos mais aguardados do ano de 2009.



Razão e Sensibilidade



Uma tocante e elegante versão do clássico de Jane Austen que trata de amor, traição, paixão e suas relações com as convenções sociais. Após a morte de seu pai, Elinor e Marianne Dashwood enfrentam a incerteza do futuro e precisam casar se querem uma vida segura. As irmãs têm jeitos muito diferentes de lidar com o problema, uma pendendo para a razão e a outra se entregando à paixão e precisam aprender a equilibrar os dois.
 
Trailler do Submarino:

 
Preços:
Submarino - R$ 149,00
Livraria Cultura - R$ 149,00
Saraiva - R$ 159,00
Fnac - R$ 149,00

domingo, 16 de maio de 2010

Lançamento: Anne Frank - A História do Diário que Comoveu o Mundo


Morta aos 15 anos, em 1945, no campo de concentração de Bergen-Belsen, Anne Frank deixou um famoso diário sobre os dois anos que viveu trancada no anexo de um escritório em Amsterdã, escondendo-se, na companhia de outros sete judeus, dos nazistas que então ocupavam a Holanda.

O diário que ela escreveu continua encantando gerações de leitores e consagrou-se como um dos mais pungentes testemunhos da perseguição nazista, um depoimento luminoso sobre uma adolescência vivida em condições amargas. Mas será que o texto foi a manifestação espontânea de uma adolescente vivendo uma situação especial?

A crítica e ensaísta Francine Prose defende que não: o diário é uma obra de arte, um texto literário pensado e planejado. Os originais comprovam que Anne escreveu pensando em seus futuros leitores, reescrevendo e editando inúmeras passagens. Ela se via como uma escritora – e era de fato talentosa, como se vê por sua habilidosa construção de diálogos e personagens, seu olho para os detalhes, seu domínio do ritmo da narrativa. Além de fazer uma análise literária da obra, Prose conta a trajetória de Anne e sua família, chamando a atenção para detalhes em geral ignorados. E reflete sobre as discussões e produtos gerados a partir do livro: o Museu Anne Frank, a peça de teatro e o filme realizados a partir do Diário, as teorias que negam a autenticidade da obra, além da adoção do livro em escolas e o uso feito por professores em sala de aula. Preciso e emocionante, essa obra de Prose nos reaproxima de um clássico que certamente tem lugar especial na memória de muitos leitores.

Quero muito ler esse livro; o Diário de Anne Frank é um dos meus livros preferidos. Outro livro que se inspirou no mesmo tema é "O Menino que Amava Anne Frank", de Ellen Feldman, só que não é história real e sim, ficção. Tive a sorte de comprá-lo na Livraria Nobel por R$ 12,90.


Sinopse: O que teria acontecido a Peter van Pels, companheiro de esconderijo de Anne Frank, caso ele tivesse sobrevivido? Em 16 de fevereiro de 1944, Anne registrou em seu diário que Peter prometera começar uma nova vida mudando-se para os Estados Unidos. Em "O Menino que Amava Anne Frank", Peter consegue desembarcar nos Estados Unidos, terra da liberdade para milhões de refugiados judeus. Bem-sucedido nos negócios, casa-se com uma americana e tenta levar uma vida absolutamente normal. Ao longo da década de 1950, quando os EUA experimentam o período de esplendor econômico, Peter começa a prosperar, tecendo planos para um futuro sem sombras do passado. No entanto, as recordações da infância começam a atormentá-lo com a publicação de O diário de Anne Frank, aclamado no mundo todo. Trata-se, Peter percebe, de uma história que também é dele. E uma vez que as lembranças vêm a tona, sua vida, como uma espiral, foge totalmente de controle.