sexta-feira, 16 de julho de 2010

Novo livro de Dráuzio Varella

Sinopse:

Por meio de narrativas curtas, "A Teoria das Janelas Quebradas" (Companhia das Letras, 2010), livro recente do médico oncologista Drauzio Varella, reúne crônicas publicadas na Folha ao longo de dez anos. O cardápio é variado, incluindo desde histórias engraçadas de adultério, reflexões sobre o crime, temas atuais de ciência e medicina, até questões sociais, sempre abordadas pelo autor com seu olhar atento para os dramas humanos.


Em vários textos, assume uma postura fortemente crítica, ou busca desmitificar ideias falsas, como a de que o pensamento cura ou provoca doenças, ou que precisamos normalmente de suplementos de vitaminas, ou ainda que a dor purifica. Em outros, procura transmitir informações científicas novas, e o faz na linguagem simples que todo médico deveria utilizar ao falar com seus pacientes. E, de repente, surpreende o leitor ao voltar seu olhar comovido para a inesperada presença de tantos sabiás e outros pássaros numa metrópole como São Paulo. Para o dr. Drauzio Varella, a coisa mais importante é a vida, em todas as suas formas.


Gosto muito do estilo de Dráuzio Varella, já li quase todos os  livros que ele escreveu; também gostava muito de assisti-lo no Fantástico (ainda tem os quadros dele?? Nunca mais vi...). Achei muito interessante o título, não sabia o que significava e fiz uma pesquisa. Eis o que é "A Teoria das Janelas Quebradas":  Uma tese, defendida pela primeira vez em 1982 por dois criminologistas da Universidade de Harvard, James Wilson e George Kelling. Segundo ela, a presença de lixo nas ruas e de grafite sujo nas paredes provoca mais desordem, induz ao vandalismo e aos pequenos crimes. De acordo com os autores, caso se quebre uma janela de um edifício e não haja imediato conserto, logo todas as outras serão quebradas. Algo semelhante ocorre com a delinqüencia.

Com base nessas ideias, a cidade de Nova York iniciou, nos anos 1990, uma campanha para remover os grafites do metrô, que resultou numa diminuição dos crimes realizados em suas dependências. O sucesso da iniciativa serviu de base para a política de "tolerância zero" posta em prática a seguir.



Simplificando: "resolver os problemas enquanto ainda são pequenos."


Clique aqui para ler um dos textos - Vida de Ladrão.

O livro estará à venda a partir do dia 20/07, mas já dá para reservá-lo na Livraria da Folha .

5 comentários:

  1. Ei Lia,

    Nunca li um livro todo do autor, falha minha, mas já li alguns textos e gostei muito.

    Adorei o significado do livro e a teoria das janelas quebradas :)

    bjo

    ResponderExcluir
  2. Oi Lia.
    Infelizmente não concordo com Drauzio quando ele diz que pensamento não cura ou não adoece, pensamento é ação, quando você pensa já emite uma energia absurda seja ela benéfica ou maléfica, mas entendo que médicos sejam céticos quanto à isso..

    Realmente a teoria das janelas quebradas é muito importante e decisiva em cidades com grande criminalidade, morei 3 anos em NY e pude ver de perto os efeitos da tolerância zero.

    Só aqui nesse país de araque que nada funciona, mas um dia quem sabe, né ?

    Bom Fim de Semana.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Sempre gostei muito dos textos do Dráuzio e já vou colocar esse livro na minha listinha!
    Obrigada pela dica!
    Beijos
    Camila

    ResponderExcluir
  4. Oi, Nanda
    Leia, são livros muito bons...tb achei bem legal a teoria..bjs

    Oi, Marcello
    Médico é assim mesmo, bem cético. Mas gosto bastante do que ele escreve. Acho difícil aqui no Brasil esta teoria funcionar, aqui ninguém pensa muito no outro e no que é compartilhado com todos..cada um só quer saber da sua vida...triste isso.
    Bom fim de semana para vc tb.

    ResponderExcluir
  5. Oi, Camila
    De nada, eu tb sempre gostei muito e acho que esse deve ser muito bom. Bjs

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo