terça-feira, 27 de julho de 2010

Anne Frank: A História do Diário que Comoveu o Mundo - Francine Prose


Ela foi uma jovem escritora maravilhosa. Era um assombro para uma menina de 13 anos. Vê-la ganhar domínio sobre as coisas é como assistir a um filme acelerado de um feto que vai ganhando rosto...De repente ela descobre a reflexão, há retratos de pessoas, esboços de personagens, há episódios longos, cheios de acontecimentos, intricados, tão lindamente narrados que parecem ter passado por uma dúzia de rascunhos. E nenhum desejo venenoso de ser interessante ou séria. Ela simplesmente é...Seu ardor, seu espírito - sempre em movimento, sempre começando coisas...ela é como uma irmãzinha apaixonada de Kafka, sua filhinha perdida. (Philiph Roth, Diário de uma ilusão)


Sinopse

O diário que Anne Frank escreveu durante a Segunda Guerra, enquanto se escondia com a família da perseguição nazista, ficou conhecido por gerações de leitores. Mas será que o texto foi a manifestação espontânea de uma adolescente vivendo uma situação especial?

A crítica e ensaísta Francine Prose defende que não - o diário é uma obra de arte, um texto literário pensado e planejado. Os originais comprovam que Anne escreveu pensando em seus futuros leitores, reescrevendo e editando inúmeras passagens. Ela se via como uma escritora - e era de fato talentosa, como se vê por sua habilidosa construção de diálogos e personagens, seu olho para os detalhes, seu domínio do ritmo da narrativa.

Além de fazer uma análise literária da obra, Prose conta a trajetória de Anne e sua família, chamando a atenção para detalhes em geral ignorados. E reflete sobre as discussões e produtos gerados a partir do livro - o Museu Anne Frank, a peça de teatro e o filme realizados a partir do Diário, as teorias que negam a autenticidade da obra, além da adoção do livro em escolas e o uso feito por professores em sala de aula.

Excelente livro para quem quer conhecer mais sobre Anne Frank e sobre o famoso diário. A escritora fez uma pesquisa minusciosa, se debruçando sobre muitas versões e livros escritos sobre o diário, chegando a uma conclusão: ele é uma obra de arte. A habilidade de narrar a história, a capacidade de construir diálogos finos e de criar personagens a partir de pessoas reais apontam para o trabalho de uma escritora talentosa e consciente de seu estilo.
 
Anne possuía uma imensa profundidade para alguém tão jovem e refletiu sobre a natureza humana e suas contraditórias  manifestações, registrando, na visão de uma adolescente, as minúscias e os acontecimentos mais relevantes, o particular e o universal, a vida em um espaço tão confinado e a realidade mais ampla.
 
Neste livro, acompanhamos a trajetória do diário: das críticas que Otto Frank sofreu ao publicar as palavras da filha, aos desafios enfrentados hoje por professores que adotam o livro nas escolas, passando pelas controversas adaptações para o teatro e o cinema. A autora também investiga as teorias conspiratórias que acusam o diário de ser uma fraude, bem como as análises científicas que provam o contrário.
 
Como as anotações do diário terminam em agosto de 1944, ficamos sem saber o que ocorre depois da prisão dos ocupantes do esconderijo. Prose recria os últimos passos deles, até o final trágico nos campos de concentração (exceto Otto Frank, que sobreviveu), reproduzindo entrevistas com as últimas pessoas que conviveram com Anne Frank e seus últimos momentos de vida. Essa parte do livro é muito triste...
 
Através da leitura do livro, tomei conhecimento do único vídeo com a imagem de Anne (ela aparece bem rapidamente em uma janela):
 
 
Encontrei, também no YouTube, o trailler de uma mini série lançada em 2001, Anne Frank: The Whole Story:
 
 
 
 
Achei a atriz bem parecida com Anne, vou procurar ver se acho para assistir. Deve ser bem bonito...só não aguentei a música do trailler (será que está no filme também??)..rs

6 comentários:

  1. Ei, Lia! Tudo bom?
    Li o livro "Diário de Anne Frank", quando era bem nova, e me apaixonei pelo texto, pela realidade dos fatos e pela bela história. Não a como não se emocionar e se apaixonar, pelas palavras. Como seria capaz uma menina de 13 anos, apesar de ser um diário, escrever tão bem?
    Mas a leitura deste livro vale a pena, apesar de ser verdadeira.

    Abraços,
    Alê.

    ResponderExcluir
  2. Lembro que quando era pequena (me sinto tão velha dizendo assim), tentei ler sobre Anne Franke, mas não consegui, acho que lí algumas páginas, não terminei.
    Ainda espero ler, pois é um 'clássicão'.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Lia!
    Eu ainda não li O Diario de Anne Frank, mas tenho a impressão de ser uma história muito forte. Ando fugindo de dramas. kkk
    Não sabia que existia o boato do diario ser uma fraude. será?
    Ótimo post
    BJs

    ResponderExcluir
  4. Oi, Alê
    É verdade...ela escrevia muito bem, era uma escritora nata..bjs

    Oi, Mirelli
    Apesar de ser triste, vale a pena lê-lo..bjs

    Oi, Hérida
    É forte mas é bonito...e foi comprovada a autenticidade do diário; a escritora mostra bem isso neste livro. Bjs

    ResponderExcluir
  5. Interessante!! No futuro vou ler ‘O Diário de Anne Frank’, para concluir com ‘Anne Frank: A História do Diário que Comoveu o Mundo’. Estou curiosa em relação a critica e a pesquisa de Francine Prose. Valeu pela dica Lia ^^

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo