segunda-feira, 12 de abril de 2010

Lançamento: Criação Imperfeita - Marcelo Gleiser


Gosto muito dos livros do físico Marcelo Gleiser. Já li "A Dança do Universo" e "A Harmonia do Mundo". São livros sobre temas difíceis, mas escrito de um jeito que fica gostoso ler e fácil de entender. Quero muito ler seu livro mais recente, "Criação Imperfeita - Cosmo, Vida e o Código Oculto da Natureza."



Sinopse: Gleiser, um dos grandes cientistas da atualidade, desmonta o maior mito da ciência e da filosofia ocidentais: o de que a Natureza é regida pela perfeição. O físico brasileiro radicado nos EUA também contesta o discurso dos ateístas radicais, como Richard Dawkins, mostrando que a ciência não prova a inexistência de Deus.


O físico Marcelo Gleiser, 51 anos, se acostumou a decifrar a ciência para o público leigo. Programas de TV, coluna em jornal, palestras - os meios utilizados pelo experiente cientista e professor são inúmeros. O esforço de Gleiser, que decidiu ser físico ouvindo do pai que ninguém “o pagaria para contar estrelas”, tem uma razão nobre: dar às pessoas a chance de construir uma visão mais crítica do mundo. Para ele, a compreensão da ciência liberta o ser humano do medo do desconhecido.

“Não é só a tecnologia que faz do mundo de hoje diferente do mundo de Cabral, em 1.500. O modo como ele pensava que o mundo era é totalmente diferente. A ciência faz parte da nossa cultura. As pessoas precisam absorver isso até como ferramenta para desenvolver um pensamento mais crítico”, afirma o professor de física teórica na Dartmouth College, nos Estados Unidos. Agora, Gleiser pretende ir além e quebrar paradigmas da ciência, mostrando que a natureza não é perfeita.

Para o cientista, a perfeição e a simetria da natureza são fantasias. “Não há nada de concreto que aponte nesse caminho. As pistas vão na direção oposta”, avisa. Gleiser conta que as experiências que desenvolveu mostraram que a natureza cria por meio de suas assimetrias e imperfeições. No novo livro, há um capítulo dedicado exclusivamente a Johannes Kepler, físico que buscava a perfeição da forma dos movimentos celestes. O capítulo, chamado de O erro de Kepler, critica a insistência da perfeição.


“Chega um ponto em que a gente tem de deixar de insistir nessa busca pela ordem, que é mais uma produção de um desejo nosso, e olhar para o que a Terra quer nos dizer”, enfatiza o físico. Ele classifica a própria obra como um manifesto. Um manifesto sobre a importância da vida e do homem para o universo. “Os seres humanos, cada vez mais desacreditados, têm uma vida complexa e inteligente muito rara. Somos como o que o universo pensa sobre si mesmo. Essa consciência cósmica é essencial para preservar o que a gente tem”, diz.
Compreender a complexidade da vida e da natureza, na opinião de Gleiser, é criar uma relação espiritual com o universo. “É uma direção de nova espiritualidade, que nada tem a ver com religião organizada”, afirma.

O novo livro é fruto das mudanças de pensamento que ele viveu ao longo de anos de estudo e pesquisa. Ele conta que, quando começou a carreira, acreditava que havia uma ordem unificadora de tudo o que existe no universo – como boa parte do mundo ocidental. Buscava por uma teoria final, que explicasse o sentido e o funcionamento do cosmo. “Hoje mudei completamente minha percepção da realidade”, diz, categórico.


(Fonte: Último Segundo IG Brasil)






8 comentários:

  1. A desordem provê a variedade e está acaba gerando algo útil.

    ResponderExcluir
  2. Quero muito ler esses livros! Este ano, o Marcelo Gleiser virá ao Brasil dar uma palestra na universidade em que estudo e quero muito conversar com ele. O homem é fantástico!!!!

    ResponderExcluir
  3. Lia.

    Aqui em BH pelo menos na minha loja tá vendendo muito bem esse livro.

    Boa semana.

    ResponderExcluir
  4. Adorei o nome do blog, realmente dá vontade de morar numa livraria... :)

    ResponderExcluir
  5. Nunca tinha ouvido falar desse escritor.

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Vi uma entrevista com o Gleiser na Galileu desse mês, falando sobre o livro. Gostei do raciocínio dele de que o mundo não é perfeito, e que por isso os cientistas não devem ir atrás da perfeição.

    Também li hoje um artigo que ele escreveu na coluna de não lembro qual jornal, falando da relação da ciência e religião, e se elas podem existir juntas. Tenho curiosidade em ler os livros dele.

    ResponderExcluir
  7. Oi, gosto muito de visitar o seu blog.
    Tem selinho p vc no meu blog, tá?
    Bjs! Lu

    ResponderExcluir
  8. Estou fazendo a primeira promoção lá no blog! =)

    Draculea - O Livro Secreto dos Vampiros
    http://escrevendoloucamente.blogspot.com/2010/04/promocao-draculea-o-livro-secreto-dos.html

    Entra lá! Bjos!

    Aline

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo