quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Desafio Clarice Lispector - Perto do Coração Selvagem

Enfim terminei o primeiro livro do Desafio Clarice Lispector. Na verdade, foi uma releitura, já que é a terceira ou quarta vez que o leio (ou releio, sei lá...). Como escrevi várias vezes, até agora é o meu livro favorito de Clarice; vamos ver se gosto mais de outro quando conseguir ler todos.

Vamos a sinopse (coisa meio difícil de fazer em se tratando dos livros de Clarice Lispector): A vida de Joana é contada desde a infância até a idade adulta através de uma fusão temporal entre o presente e o passado. A infância junto ao pai, a mudança para a casa da tia, a ida para o internato, a descoberta da puberdade, o professor ensinando-lhe a viver, o casamento com Otávio. Todos estes fatos passam pela narrativa, mas o que fica em primeiro plano é a geografia interior de Joana. Ela parece estar sempre em busca de uma revelação. Inquieta, analisa instante por instante, entrega-se àquilo que não compreende, sem receio de romper com tudo o que aprendeu e inaugurar-se numa nova vida. Ela se faz muitas perguntas, mas nunca encontra a resposta.

Li em algum lugar que Clarice escreveu este livro com 17 anos*. Estou lendo sua biografia (Clarice, - escrita por Benjamin Moser) e ainda não confirmei essa informação. Por enquanto, consta que este foi o seu primeiro livro publicado, em 1943, com 23 anos. Seu primeiro trabalho de ficção, o conto Triunfo, foi publicado em um semanário em 1940. Por aí dá para ter uma ideia do quão cedo ela começou a escrever.

*UPDATE: Acabei de ler na biografia que ela escreveu esse livro em 1942, com 22 anos.
Bem, esse livro me marcou profundamente na primeira vez que li. Vi esse comentário de alguém no Skoob e acho que tem tudo a ver com o que senti quando li o livro: "Há (muitos) momentos na história em que os pensamentos dela são idênticos aos meus, coisas tão únicas, tão íntimas que eu me surpreendo."


É engraçado, pois parece que cada vez que releio, descubro novos trechos que me emocionam. Na primeira vez, estava saindo da adolescência e agora, já estou bem madura..rs..Eu acredito que muitos livros são assim mesmo, nos mostram coisas diferentes, dependendo da nossa idade, ou melhor, maturidade.
 
Este livro é extremamente biográfico. A personagem principal, Joana, assim como muitas criaturas ficcionais, guarda imensa semelhança com sua criadora: as mesmas circunstâncias familiares, a mesma personalidade obstinada, a mesma resistência às convenções.

Certa vez, um entrevistador perguntou à Clarice:

“Até que ponto você é Joana de Perto do Coração Selvagem, uma pessoa lúcida que não se encontra na realidade?”

Ela respondeu:

“Bem, Flaubert disse uma vez: 'Madame Bovary C'est moi'.(Madame Bovary sou eu)”
 
Gosto demais do estilo de Clarice mas acredito que é algo bem pessoal, muita gente estranha seu jeito de escrever; na maioria das vezes, não há uma história com uma sequência linear. Olha que interessante o que ela disse sobre quando começou a mandar seus escritos para publicação:
 
" Eu cansava de mandar meus contos, mas nunca publicavam, e eu sabia por quê. Porque os outros diziam assim: ' Era uma vez, e isso e aquilo...' E os meus eram sensações (o grifo é meu). Eram contos sem fadas, sem piratas. Então, ninguém queria publicar."
 
E "Perto do Coração Selvagem", de um modo geral, é isso mesmo...sentimentos, sensações, pensamentos e questionamentos de Joana, que muitas vezes são nossos também...sobre família, amor, felicidade, filhos,casamento, traição, vida...
 
Meu livro é todo grifado; cada vez que leio, grifo com canetas de cores diferentes. O primeiro livro que tive emprestei para várias amigas e cada uma grifava a parte que gostava e fazia anotações. Pena que esse livro se perdeu...
 
Vou colocar aqui algumas passagens favoritas. Só algumas, pois são muitas..
 
" A única verdade é que vivo. Sinceramente, eu vivo. Quem sou eu? Bem, isso já é demais."

"É curioso como não sei dizer quem eu sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo."
 
" Ser livre era seguir-se afinal."
 
"Não sei não é resposta. Aprenda a encontrar tudo o que existe dentro de você."
 
"Nunca sofra por não ter opiniões em relação a vários assuntos. Nunca sofra por não ser uma coisa ou por sê-la."
 
"Analisar instante por instante, perceber o núcleo de cada coisa feita de tempo ou de espaço. Possuir cada momento, ligar a consciência a eles, como pequenos filamentos quase imperceptíveis mas fortes. É a vida? Mesmo assim ela me escaparia. Outro modo de captá-la seria viver. Mas o sonho é mais completo que a realidade, esta me afoga na inconsciência. O que importa afinal: viver ou saber que se está vivendo?"
 
"Ninguém sabia que ela estava sendo infeliz a ponto de precisar buscar a vida."
 
"Nunca penetrei no meu coração."
 
"A solidão está misturada a minha essência."
 
Estou lendo os livros de Clarice ao mesmo tempo em que leio sua biografia, o que tem me ajudado muito a entendê-la e entender os livros também. Já comecei a ler o segundo romance publicado, "O Lustre", vai ser a próxima resenha.

16 comentários:

  1. é muito bom identificarmos com o livro.
    E quanto a releitura, eu sou uma das que leem e releem diversas vezes.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Lariane
    Eu gosto muito de reler livros o que torna muito difícil me desfazer deles..

    ResponderExcluir
  3. Oiii,

    Navegando na internet achei seu blog e agora sempre dou uma passadinha aqui. Moro na Holanda e a cada 3 meses me reuno com um grupo de amigas para trocar livros, falar sobre eles, comer alguma coisa e falar da vida...sao tardes super agradaveis. Nosso clube do livro agora tem ate um blog www.entremulhereseletras.wordpress.com
    Passa la que vc vai gostar :))

    Parabens pelo log e obrigado pelas dicas.
    abraco
    Juliette
    PS: meu teclado nao tem acentos.

    ResponderExcluir
  4. Oii,

    Gostaria de te convidar para participar da segunda promoção do Uma Janela Secreta, o livro é: A esperança tem muitas faces. Gostaria que desse uma força =)

    O link é:
    http://umajanelasecreta.blogspot.com/2010/02/promocao-esperanca-tem-muitas-faces.html

    Bjoo!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Achei lindo o seu blog!!!! Parabens!! Tb sou uma aficcionada por livros e gostaria de aderir a campanha em 2010 50 livros. Como faço
    Parabens mais uma vez!!
    Cynthia L

    ResponderExcluir
  6. Lia,
    depois desssa resenha, eu preciso começar a ler Clarice urgente! Bjos

    ResponderExcluir
  7. Lia, sua resenha foi tão profunda, que me deixou com vontade de ler esse livro. Eu tive uma mal-sucedida leitura com um dos livros de Clarice, "A hora da estrela" e me decepcionei. Travei. Mas acho que na época, eu não tinha maturidade suficiente para entender a obra. Estou apostando nessa ideia. hehehe.

    Tb adoro essa citação dela: ""É curioso como não sei dizer quem eu sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Sobretudo tenho medo de dizer, porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo."

    Me descreve perfeitamente bem!!!

    Aliás, gostei da parte da sua resenha que diz: "Todos estes fatos passam pela narrativa, mas o que fica em primeiro plano é a GEOGRAFIA INTERIOR de Joana. Gostei dessa expressão.

    Parabéns pelo excelente post.

    Bjs. ;)

    ResponderExcluir
  8. Ultimamente não estou me sentindo muito inspirada para ler livros mais clássicos. Já tentei duas vezes, mas acho que por enquanto fico com os mais 'populares' mesmo... Mas eu tenho uma profunda admiração por escritores como a Clarisse, que conseguem sem atemporais!
    Excelente post!
    Beijos
    Camila

    ResponderExcluir
  9. Oi, Juliette
    Obrigada pela visita...já dei uma passadinha no seu blog e amei!

    Celsina
    Vou participar, pode deixar

    ResponderExcluir
  10. Aline
    Leia o quanto antes, vc vai adorar! Bjs

    ResponderExcluir
  11. Oi Lia, também tenho isso de marcar e comentar partes de livros que adoro, e fica mesmo impossível se desfazer deles depois, até mesmo de emprestar, por medo que se percam...

    Gostei muito da maneira como você colocou sobre a Clarisse, pois acho-a de uma sensibilidade e uma profundidade que nunca consegui definir em palavras, foi ótima a sua...Fiquei com vontade de reler Clarisse. Bjo Lia ( Adoro a sonoridade de Lia, lembra-me a canção de Chico - ...na ilha de Lia, no barco de rosa..)

    ResponderExcluir
  12. Oi, Camila
    Obrigada pelo elogio! Bjs

    ResponderExcluir
  13. Da Clarice até hoje só li pequenos contos... sempre achei que não gostaria de ler um livro dela, nem sei o porquê...
    Acho que vou dar uma chance e começar por esse livro...

    beijos,
    Dé...

    ResponderExcluir
  14. Oi,Debora
    Leia sim, vc vai gostar...
    bjs

    ResponderExcluir
  15. Lia, adorei sua resenha, bem detalhada, diferente.
    Já li Perto do Coração Selvagem há muito tempo e já havia me esquecido,agora lendo sua resenha me lembrei de Joana, personagem complexo! já li vários livros dela, mas agora com o blog vou ter que relê-los, que vai ser um prazer, pois a cada leitura mais descobertas, mais fascínio.bjs

    ResponderExcluir
  16. Oi, Monica
    Eh assim mesmo..Clarice sempre nos surpreende a cada leitura e releitura..bjs

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo