sábado, 5 de dezembro de 2009

O Contador de Histórias

Além da paixão pelos livros, também sou apaixonada por filmes( também adoraria morar em uma locadora..rs). Sempre gostei muito de ir ao cinema e ver filmes em casa (sou da época do VHS). Depois que minha filha nasceu, cinema para mim é filme infantil então acabo vendo filmes "adultos" em DVD mesmo. Estou meio defasada em relação aos lançamentos, está difícil conciliar tudo e ainda conseguir ver filmes. Além disso, também adoro séries...haja tempo para fazer tudo que gosto! Mas voltando aos filmes...agora, tive que assistir alguns para um trabalho da faculdade e este é um deles:





Filme – O Contador de Histórias (2009)


“Ele escreveu sua história contando muitas outras”

“O Contador de Histórias” relata a trajetória de Roberto Carlos Ramos, um menino cheio de imaginação, que nos anos 70, é deixado aos sete anos pela mãe em uma entidade assistencial recém criada pelo governo (FEBEM). Aos treze, após incontáveis fugas, ele é classificado como “irrecuperável” nas palavras da diretora da entidade. Contudo, para a pedadoga francesa Margherit Duvas, que vem ao Brasil para o desenvolvimento de uma pesquisa, Roberto representa um desafio. Determinada a fazer do menino o objetivo de seu estudo, ela tenta se aproximar dele. O que surge entre os dois é uma relação de amizade e ternura, que porá em cheque a descrença de Roberto em seu futuro e desafiará Margherit a manter suas convicções.

Em uma primeira conversa com Roberto, ainda na FEBEM, o que chama a atenção de Margherit é sua fértil imaginação e a criatividade ao inventar uma história contando o porquê de estar na entidade. Ele fantasia um grandioso assalto a um banco com toda sua família, mas na realidade, sua mãe resolveu levá-lo a FEBEM para livrá-lo da pobreza e por acreditar na propaganda da instituição que prometia um futuro promissor para cada criança, como médico, advogado ou engenheiro.

Nesse primeiro encontro, Roberto se surpreende com o tratamento que recebe de Margherit: “Nunca ninguém tinha me dito ‘com licença’ ou ‘por favor’”- ele diz da maneira que ela o aborda. A partir desse momento, Margherit tenta se aproximar de Roberto, mas ele se mostra muito arredio. Somente após ser violentado por meninos de rua, ele vai até a casa da pedagoga e lá permanece, mas sem contar o motivo de sua fuga. Aos poucos, Margherit ganha sua confiança e ele reconstitui a história de sua vida com extrema fantasia e alguma poesia, imaginando a realidade como ele vê. Descobre o amor pela leitura através do livro “Vinte Mil Léguas Submarinas” que o leva a conhecer outro mundo.

Quando Margherit precisa voltar à França e vai se despedir da diretora da FEBEM, ouve dela:

- Roberto teve sorte. E ela responde:

- Não foi só sorte. Foi trabalho. Eu sabia que um menino de treze anos não podia ser considerado “irrecuperável”.

Ela retorna à França juntamente com Roberto, que cursa Pedagogia e faz pós-graduação em literatura infantil. Hoje é considerado um dos dez maiores contadores de histórias do mundo. Quando voltou ao Brasil, reencontrou sua mãe e cuidou dela até sua morte, em 2006. Adotou treze meninos de rua, que considera sua família.

O filme é realmente encantador ; Roberto nos cativa com uma história de vitória contada por um vitorioso. Nos mostra que nenhuma criança ou adolescente é “irrecuperável”. Educar é uma tarefa extremanente trabalhosa mas vale a pena, como mostra a linda história de Roberto, ao sair de uma vida de roubos, drogas e abandono para uma vida dedicada à educação de crianças como ele. Quando estudante, voltou a FEBEM como estagiário e cativou as crianças com sua rica imaginação. No final do filme, o verdadeiro Roberto aparece contando histórias para um grupo e é inspirador ver a paixão com que faz seu trabalho.



Ficha técnica:

Elenco:

Maria de Medeiros Marco Ribeiro

Paulo Henrique Mendes Cleiton Santos

Malu Galli Ju Colombo

Daniel Henrique da Silva



Direção: Luiz Villaça

Produção: Francisco Ramalho Jr

Denise Fraga

Fotografia: Lauro Escorel

Trilha Sonora: André Abujamra

Márcio Nigro

Muito lindo e inspirador.

3 comentários:

  1. Também gosto muito de filmes. O que eu gosto mesmo é imaginar o filme do que estou lendo .
    Eu sempre viajo longe ...
    Bom é se desconectar!
    Beijos de fada.
    Luka.

    ResponderExcluir
  2. Eu tb sou louca por filmes!!!! E esse aí ainda não vi!

    beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Quero assistir esse filme. Pena que não está mais cem cartaz, o jeito agora é ver em DVD.
    E obrigada pelos seus comentários no meu blog. Quer dizer que você leu Extremamente Alto, Incrivelmente Perto? Estou louca para ler. É bom? Bjs.

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo