domingo, 15 de novembro de 2009

Meu reino por um cashmere - Ana Cristina Reis


Faz muito tempo que eu estava de olho neste livro...logo que me cadastrei no site Trocando Livros eu achei esse livro para trocar e solicitei. Infelizmente, a digníssima pessoa que possuia o livro desistiu de envia-lo, ou esqueceu, sei lá..
Ficou tempo na minha Wish List até que achei um exemplar para vender por R$ 5,00 no site Estante Virtual e não resisti: tive que comprá-lo!
Bem, vamos a sinopse (Submarino):
"O que deseja uma mulher nem Freud soube responder com precisão, ainda mais por quem, ou que aventura, ela trocaria seu reino - por um homem, uma viagem a Paris, lagostins regados a cheval blanc ou por um belo cashmere. Bem, diria você - depende. É o que também afirma Ana Cristina Reis, esta jornalista que edita um caderno de moda, viaja para todos os cantos do mundo e entende como ninguém de gastronomia.
Ana é um pouco menos atrevida do que as personagens de Sex and the city, o que a torna bem mais real - exatamente como qualquer uma de nós, mulheres que têm lá suas inseguranças, sonhos e uma imaginação lasciva. Pensar não é pecado. E sobre o que ela verdadeiramente pensa é que escreve neste livro. Sobre a vontade que às vezes bate de voltar ao passado, ou de chegar ao futuro mais rápido - enquanto permanece o profundo desejo de encontrar alguém, em algum lugar do presente.
Apaixonar-se por um italiano desconhecido numa varanda em Florença; comprar jeans Moschino e perfume Fendi; deliciar-se com trufas brancas num chalé das montanhas; encontrar a mais bela torneira para a pia da cozinha; sair com as mesmas amigas para o mesmo restaurante para tomar o mesmo vinho; encontrar um piso pra sala que lembre o de uma antiga fazenda: o chão do loft como retrato de sua alma, entende?
Sobre estas obsessões mais ou menos simples é que Ana Cristina caminha, de preferência sobre as sandálias Manolo Blanik - sim, nesta questão específica, ela é igual a Carrie, de Sex and the city. Em muitas outras também, diga-se de passagem, já que as aventuras das quatro nova-iorquinas foram acompanhadas por Ana e suas amigas, e guardadas distâncias, salários e temperatura ambiente, até que o grupo brasileiro reproduz com estilo as loucuras das americanas."

Eu realmente me confundi com a descrição do livro..achei que fosse um romance, tipo Bridget Jones ou outro desse tipo. Como tenho comprado muito livro pela internet, não tenho mais a oportunidade de folhear o livro, ler um pouco da história, daí acontece isso. Na verdade, são deliciosas histórias vividas pela escritora e também observações sobre relacionamentos, amizades, viagens, a procura do "homem ideal", etc.
E ela é divertidíssima..já dá para ver pelo subtítulo: "as obsessões de uma mulher nada básica." E ela  tem cada tirada..como essa:
 
"Três bilhões de anos de evolução e eles (os homens) ainda não sabem que mulher gosta mesmo é de romance, e geralmente do tipo mais simples: atenção e conversa fiada."
 
O texto "Cashmere Preto" esplica o porquê do título: o cashmere é o curinga da mulher, todas deveriam ter um.
Uma curiosidade: Ana Cristina Reis é bisneta de Helena Morley que escreveu "Uma vida de menina" e que estou lendo agora. Depois conto desse livro. O filme é muito bom.
 

4 comentários:

  1. Lia, eu tb, Casorio foi o primeiro que li, e o tal do Gus, me enfurece, o cara sem noção?
    Novo Lay ficou perfeito querida.. lindo =o**

    ResponderExcluir
  2. Lia,
    adorei a sua resenha. Por la dá pra ver que mesmo pensando que fosse outro tipo de livro, voc~e não se arrependeu da escolha. E já que vc falou em Bridget Jones visita o meu blog. Ela está por lá http://letrasdesonho.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Lia !
    Já faz um tempo que eu gostaria de te dizer que adorei seu blog. E o nome ? Pra mim, livraria é tudo de bom. Sei lá, tem um clima, um cheiro no ar ... Adoro !
    Eu não conhecia Ana Cristina Reis. Obrigada pela dica. Tudo indica que é diversão na certa.

    Beijos de fada.
    Luka.

    ResponderExcluir

Adoro ler comentários...na medida do possível, responderei aqui mesmo